Sou mais um entre tantos...

Sou mais um entre tantos...
#FocoForçaeFé
A FILOSOFIA E A MISSÃO DESTE BLOG INCLUI A DIFUSÃO DA CULTURA E A UTILIDADE PÚBLICA.

"Cada pessoa, por si só, promove a sua indispensável transformação interna, transmutando o pesado chumbo do seu emocional, no ouro reluzente da Evolução Mental."

"Considere como é difícil modificar a si mesmo e você entenderá quão pouca chance tem ao tentar modificar outras pessoas." - Jacob M. Braude

"Seja em você a mudança que quer para o mundo" - Ghandi´

Aos preconceituosos e aos piadistas, sugiro que olhem para si mesmos antes de julgarem os outros... Quem aponta um dedo para alguém, aponta três para si mesmo.


Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade
Fé Esperança Caridade - Virtudes chamadas teologais porque têm a Deus por objeto de modo imediato. Pela fé nós aderimos ao que Ele revelou; pela esperança tendemos a Deus apoiando-nos em seu socorro para chegar a possuí-Lo um dia e vê-Lo face a face; pela caridade amamos a Deus sobrenaturalmente mais do que a nós mesmos. A minha Fé não é achar que Deus fará o que eu quero, mas basea-se na certeza de que Ele fará por mim tudo o que preciso.

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Verbete Wikipédia

Verbete Wikipédia
Verbete Wikipédia

O BRASÃO

O BRASÃO
Visite o blog do Barão de Burity clicando no Brasão.
Meus livros são minha essência.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.
DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA - POR FAVOR, CLIQUE NO TÍTULO ABAIXO...
CRÉDITO DE IMAGENS
Algumas obtidas na internet e alteradas com programa de edição de imagem.

PARA MEDITAR...

"OS HOMENS PASSAM, A OBRA PERMANECE!"

"GARIMPANDO AMIZADES:
PERDI MUITOS DIAMANTES ENQUANTO OCUPADO GARIMPAVA NO MEIO DE FALSAS PEDRAS PRECIOSAS."

"NÃO ME IMPORTO COM O QUE OS OUTROS PENSAM DE MIM. IMPORTO-ME COM O QUE EU PENSO E COM O QUE FAÇO. EIS UMA DAS CARACTERÍSTICAS DO MEU CARÁTER."

"NINGUÉM É OBRIGADO A GOSTAR DE ALGUÉM, MAS EXISTE UMA COISA QUE SE CHAMA: RESPEITO!"
Nunca sabemos onde a vida nos levará. Tropeços e valores. Reviravoltas. Ficamos surpresos... Às vezes, no caminho um pensamento nos faz dizer: -"Este é o pior momento da minha vida". Mas quer saber ? No final do caminho, das diversidades mais difíceis, o que não nos mata - nos torna mais forte.
Agora as diversidades não importam. Eis o dilema! A vida é uma jornada e não um aleatório destino. Egresso da Baixada Fluminense... Ex-Marujo...
De bem com a vida - acordado e energizado - faço do escrever a minha terapia ocupacional.
Acima de tudo agradeço a Deus por tudo que tenho e sou. Não há como renegar as minhas origens. Quem renega as suas origens, nega a si mesmo.
Servir à Marinha:
Uma visão!
Um sonho!
Uma vida!


domingo, 28 de setembro de 2008

SOCIÉTÉ ACADÉMIQUE DES ARTS, SCIENCES ET LETTRES



Para visualizar com nitidez o documento dê dois cliques com o botão esquerdo do mouse.

MUDE...

Acabo de receber um texto de Clarice Lispector. Achei a leitura interessante:
"Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, troque o caminho, ande calmamente por outras ruas, observando com atenção os lugares por onde você passa.
Durma mais tarde. Durma mais cedo.
Coma um pouco menos, coma um pouco mais, coma diferente, escolha novos temperos, novas cores, coisas que você nunca ousou experimentar. Almoce mais cedo, jante mais tarde, ou vice-versa. Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria.
Tente o novo todo dia: o novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, a nova posição.
Escolha outro mercado, outra marca de sabonete, outro creme dental.
Use canetas de outras cores. Troque de bolsa, de carteira, de malas, compre novos ósulos, tente escrever poesias.
Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as seja criativo. Experimente coisas novas. Troque de novamente. Mude, de novo. Experimente outra vez.
Assista a outros programas de TV, leia outros livros e jornais.
Durma mais tarde. Durma mais cedo. Durma no outro lado da cama.Em seguida, procure dormir em outras camas.
Sente-se em outra cadeira, do outro lado da mesa. Mais tarde mude de mesa. Tire uma tarde para passear livremente, ouvir o canto dos passarinhos ou o ruído das águas de uma cachoeira.
Tome outros ônibus... Mude por uns tempos o estilo das suas roupas. Dê os sapatos velhos e procure andar descalço alguns dias - nem que seja em casa.
Você com certeza conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas, mas não é isso o que importa. O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.
Comece devagar... Porque a direção dos seus atos será mais importante do que a velocidade".
Afinal o que é o tempo? É vento, é chuva, é sol. Eternidade ou momento? Vivemos tão empenhados em esconder o que sentimos que acabamos escondidos de nós mesmos. Nas mudanças empreendidas em nossas vidas mais vale o coração partido do que ter a alma ferida.
No túnel transforme pensamentos... Mude... Pois nas palavras de Henry James:
"O ser humano é a soma de suas fantasias".
Mude... Só o que está morto é que não muda, e você está vivo. Lembre-se de que a primeira pessoa que precisa acreditar no que você diz e faz é você mesmo.

sábado, 27 de setembro de 2008

VIRTUDE

Aristóteles afirmou que a virtude é um traço de caráter manifestado no agir habitual. O “habitual” é importante. A virtude da honestidade, por exemplo, não é possuída por alguém que diz a verdade apenas ocasionalmente ou quando isso lhe é vantajoso. A pessoa honesta é naturalmente veraz; as suas ações “brotam de um caráter firme e inabalável”. Isto é um começo, mas não basta. Não distingue as virtudes dos vícios, pois os vícios são também traços de caráter manifestados nas ações habituais.
Edmund L Pincoffs, um filósofo que lecionou na Universidade do Texas, fez uma sugestão que resolve este problema. Pincoffs sugeriu que as virtudes e os vícios são qualidades a que nos referimos para decidir se alguém merece ser procurado ou evitado. “Nós preferimos alguns tipos de pessoas, outros evitamo-los”, afirma. “As particularidades na nossa lista [de virtudes e vícios] podem servir como razões para preferir ou evitar pessoas”.
Procuramos pessoas por razões diferentes, e isto tem implicação nas virtudes relevantes.
[1] Quando procuramos um mecânico de automóveis, queremos alguém habilidoso, honesto e consciencioso;
[2] Ao procurar um professor, queremos alguém com conhecimentos, fluente e paciente.
Assim, as virtudes associadas à reparação de automóveis são diferentes das virtudes associadas ao ensino.
Mas também avaliamos as pessoas enquanto pessoas, de uma forma mais geral, pelo que temos não apenas o conceito de um bom mecânico ou de um bom professor, mas de uma boa pessoa.
As virtudes morais são as virtudes das pessoas enquanto pessoas. Aproveitando a deixa de Pincoffs, podemos, pois, definir uma virtude como um traço de caráter, manifestado nas ações habituais, que é bom uma pessoa possuir. E as virtudes morais são as virtudes, que é bom todas as pessoas possuírem.

VINGANÇA...








Vingança...

Me abandonaste.
Quero ver-te na palma da mão
me vingo e acabo contigo.

domingo, 21 de setembro de 2008

CAMINHANDO...

Ai do mundo, tão afetado pelos aproveitadores que lucram com a ignorância alheia. Pobre espaço onde haja excesso de materialismo e pouca espiritualidade que gera um desiquilíbrio permisso à abertura das portas da violência desenfreada, alimentadora do egoísmo centralizador.
Tenhamos em mente que as nossas fantasias estão ligadas ao mundo da imaginação e relacionadas aos cinco sentidos do corpo humano: visão, audição, olfato, gosto e tato.

Cogito, ergo sum - Penso, logo existo. Quem não se pergunta por quê? A vida é feita de caminhos livres e diversificados. Quem nada acrescenta à sua vida: Não vive, vegeta. Trai sua condição do homo sapiens. Desperdiça um dom que lhe foi dado por Deus.
É necessário abordar de forma aberta e séria as questões, abrindo espaços para novas discussões, revolver e repensar os princípios sociais quanto aos preconceitos. Não esquecendo que através do pensamento podemos avaliar o progresso social e compreendermos melhor os nossos semelhantes e a nós mesmos. Aproveitemos cada segundo de nossas vidas como se fosse o último: desejando sempre o bem para os outros. Que estas sejam as suas vibrações. Que a sua vida seja longa e feliz.
O que torna importante uma conversa diferente é o compartilhar atitudes sadias, ter a serenidade no convívio com os semelhantes. Caminhemos em prol de um mundo mais feliz e solidário. Um mundo onde se cultue as artes e onde os sentimentos possam realmente ter mais valor do que os bens materiais.
Para aqueles que pretendem se aperfeiçoar, valem os conselhos contidos na mensagem encontrada na antiga Igreja de Saint Paul, em Baltimore, datada de 1692:

"Vá plácido entre o barulho e a pressa lembre-se da paz que pode haver no silêncio. Tanto quanto possível, sem capitular, esteja de bem com todas as pessoas. Fale a sua verdade, clara e calmamente; e escute os outros, mesmo os estúpidos e ignorantes, pois também eles têm a sua história. Evite pessoas barulhentas e agressivas. Elas são tormento para o espírito. Se você se comparar a outros, pode se tornar vaidoso e amargo, porque sempre haverá pessoas superiores e inferiores a você.
Desfrute suas conquistas, assim como seus planos. mantenha-se interessado em sua própria carreira, ainda que humilde; é o que realmente se possuir, na sorte incerta dos tempos. Exercite a cautela nos negócios, porque o mundo é cheio de artifícios. Mas não deixe que isso o torne cego à virtude que existe; muitas pessoas lutam por altos ideias e, por toda parte, a vida é cheia de heroísmo. Seja você mesmo. Principalmente, não finja afeição, nem seja cínica sobre o amor, porque, em fase de toda aridez e desencanto, ele é perene como a grama.
Aceite, gentilmente, o conselho dos anos, renunciando, com benevolência, às coisas da juventude.
Cultive a força do espírito, para proteger-se, num infortúnio inesperado.
Mas não se desgaste com temores imaginários. Muito medos nascem da fadiga e da solidão.

Acima de uma benéfica disciplina, seja bondoso consigo mesmo. Você é filho do Universo; não menos que as árvores e as estrelas, você tem o direito de estar aqui.
E que seja claro, ou não, para você, sem dúvida o Universo se desenrola como deveria. Portanto, esteja em paz com Deus, qualquer que seja a sua forma de conhecê-lo, e, sejam quais forem sua lida e sua aspirações, na barulhenta confusão da vida, mantenha-se em paz com sua alma.
Com todos os enganos, penas e sonhos desfeitos, este ainda é um mundo maravilhoso.
Esteja atento!"


Tudo isto pode parecer utopia, mas se desprezarmos a púrpura do poder, o dourado das moedas, a obscuridade da vaidade, o isolacionismo do egoísmo, a soberba do orgulho e passarmos a cultivar a beleza da simplicidade, a riqueza da sabedoria e o amor fraternal, estaremos no caminho do êxtase da felicidade social...
Como vivemos a época do utilitarismo, gerador do capitalismo selvagem... estamos integrados em uma sociedade em plena mutação e devemos nos acautelar para que não tenhamos nenhum desvio de conduta, preconceito ou segracionismo...
Prossigamos, vivendo e lutando pelo dia de amanhã. Nesse contexto cito Winston Churchill:
"Vivemos com o que recebemos, mas marcamos a vida com o que damos".

terça-feira, 16 de setembro de 2008

NA LINHA DO TEMPO...CARLOS DE LAET


Quem leu os discursos, conferências, crônicas e até as polêmicas de Carlos de Laet teve a sua atenção voltada para a impressionante maneira com que foram expostos... Deparou-se com um linguagem que não se extenuou pela marcha inexorável do tempo... Palavras que, se trazidas para os tempos atuais, nos levam a sair do confirmismo. Laet como conferencista alteou a voz com tanta nitidez e vigor que ecoam até os dias atuais... Sua vida de desprendimento, de amor à Pátria e ao próximo, transcende, em muito, o que hoje constatamos no trato com tais sentimentos.

18 de junho de 1876 - Carlos de Laet inicia as atividades jornalísticas no Diário do Rio de Janeiro, onde colaborou até 1878, redigindo, com o pseudônimo de "Nec", os folhetins dominicais.



15 de setembro de 1911 - Carlos de Laet - Professor do Colégio Pedro II, ao ensejo da Reforma Ridávia Correia, é colocado em disponbilidade pelo governo de Hermes da Fonseca.

Agosto de 1925 - é exonerado do cargo de Diretor do Colégio Pedro II.

Carlos de Laet chegou a ser considerado ao lado de Rui Barbosa e Machado de Assis parte da "tríade gloriosa da suprema perfeição linguística nacional". Poucos o superaram no humor fino e sempre surpreendente. Todos os brasileiros deveriam ler os escritos de Carlos de Laet: o jornalista, o poeta, o professor que nasceu no Rio de Janeiro em 3 de outubro de 1847 e que faleceu em 7 de dezembro de 1927.

Carlos de Laet não trocou a liberdade pelo abrir mão de suas convicções.Não bastasse ter sofrido perseguição dos republicanos. O foi também por ocasião da Revolta da Chibata. Como jornalista refugiou-se em São João Del Rei.

Carlos de Laet um fervoroso católico, como Presidente do Círculo Católico da Mocidade, serviu à Igreja do Brasil. O ingualável Laet, recebeu de dois Papas, Le~]ao XII e Pio X, honrosas distinções e o Título de Conde Papalino. Na Academia Brasileira de Letras (ABL) ocupou a cadeira 32 que tem como Patrono Araújo Porto Alegre. Foi eleito presidente Presidente da ABL em 1914, na vaga de Rui de Barbosa. Cargo que ocupou até 1922.


Estejamos certos de que houve uma lamentável e talvez intencional confusão entre o homem de convicções, de personalidade e de ilibado caráter.

Nas palavras de Ramiz Galvão, sucessor de Carlos de Laet na ABL, disse o seguinte:

"Laet foi um modelo de coragem cívica, que jamais se desmentiu nem diante de ameaças, nem por amor de mesquinhos interesses".

domingo, 14 de setembro de 2008

REFLEXÃO...

Autoria de Nely Albuquerque publicada em www.mhariolincoln.jor.br
Depois da escuridão
De tempos em tempos, parece que um vendaval ameaça o nosso viver. Olhamos somente fortes nuvens de tempestade em nossas cabeças. A tristeza nos envolve de dor, angustia, sofrimento, como nos preparando para algo de muito ruim ameaçando por vir, dias escuros, sombrios, o céu chorando com lágrimas de chuva. Eis que de repente, surge o sol brilhando num imenso clarão anunciando um novo dia radiante de raios de brilhantes espargindo para todos. Saúde-o com o melhor de seu sorriso e pense: Veio a claridade do céu, anunciando a esperança, a volta da alegria, o fim da dor, e a certeza que dias melhores virão. Espere com fé os amanhãs da vida.

Assuma a sua vida
Muitas pessoas já lhe desiludiram, porque eram vistas como ilusão, mas a responsabilidade não é delas porque todo o poder é seu, aprenda com seus erros e liberte as pessoas. Livre seu coração do ódio e do ressentimento. Assuma o seu poder de responsabilidade aprendendo com seus erros: Cada ser livre pertence a si mesmo e ninguém sabe o seu amanhã. Então, solte tudo, o sonho e imagem depressiva que tem de si mesmo. Amanhã, o mundo tudo muda. Não deixe o passado domina-lo. Deixe o presente nos dominar. Viver na ilusão é sonhar sem ter o pé no chão. Vamos renascer alcançando a realidade. Abandonando-se a vida nos livrando de todo o empecilho, liberte-se da sua vida dizendo:“Eu não espero nada de ninguém. Nada de quem vive a sonhar. Me solto no espaço de quietude interior, assim calma fico no meu aqui e agora, muito mais presente e isso é o que me basta.

sábado, 13 de setembro de 2008

COLOCAR TUDO EM ORDEM


Confúcio - 500 aC
"Os grandes antigos quando queriam propagar suas altas virtudes,
punham os seus Estados em ordem”.
*******
Antes de porem seus Estados em ordem, punham em ordem suas famílias;antes de porem em ordem suas famílias, punham em ordem a si próprios.
Antes de porem em ordem a si próprios, aperfeiçoavam suas almas, procurando serem sinceros consigo mesmos e ampliando ao máximo seus conhecimentos.
A ampliação dos conhecimentos, decorre do conhecimento das coisas como elas são (e não de como queremos que elas sejam ) .
Com o aperfeiçoamento da alma e o conhecimento das coisas, o homem se torna completo; e quando o homem se torna completo, ele fica em ordem.
E quando o homem está em ordem, sua família fica em ordem; e quando sua família está em ordem, o Estado que ele dirige também fica em ordem.
E quando todos os Estados ficam em ordem, o mundo inteiro goza de Paz e Prosperidade.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

AMIGO

Do livro de minha autoria FATOS E REFLEXÕES.

Segundo o Dicionário Aurélio AMIGO é estar ligado a outrem por laços de amizade.
Infelizmente, nem sempre sabemos conduzir uma amizade... Amizade tal qual as flores murcham. Como é difícil alimentar-se uma amizade. No mundo moderno amigo não é quem foi amigo... Amigo é quem está sendo amigo... Amigo é aquele de quem podemos tirar algum proveito.
Recentemente, um amigo solicitou-me um favor. Fui aconselhado a não atendê-lo. E não atendi. Sabem o que tal fato gerou? A nossa amizade foi o brejo. Naquela época conSultei o dicionário para verificar o significado da palavra "buriti"; encontrei como sendo uma palmeira (mauritia vinifera). Caso eu tivesse atendido aquele pedido teria me transformado em "laranja".
Há períodos em que me afasto, por motivos particulares, de alguns amigos. Mesmo assim eles estão presentes na memória e nas orações. O caminho do trem da vida às vezes me conduz ao ficar até contra os interesses de uma sincera amizade.
O lado obscuro do amigo é que o "interesse", algumas vezes, passa a ser o fator mandatório nas amizades. Palavra malditosa: interesse. O fato é que ser amigo gera amizade... Amizade é escolha... Amizade é um sentimento... Sentimento é adrenalina... Adrenalina que completa o "mix", alterando o conjunto racional e emocional. Para atendermos um amigo, o emocional não deve sobrepujar o racional. Caso contrário além de arcarmos com as consequências e ônus do impensado gesto, ainda perderemos o amigo.
Muito embora Amigo seja aquele de quem se espera e exige-se perfeição... Mesmo que venham a ser tornar "antagônicos" temos o direito de não atendê-los...

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

CEGOS?

Autora: Alessandra Lesles Rocha
Publicado em: http:www.paralerepensar.com.br
10/09/2008
Quanto mais me rendo a observação da humanidade mais me inquieto diante de sua cegueira coletiva. Sim! Muitos de nós estão cegos! Não me refiro a cegueira que acomete aos olhos e impede uma visão clara do mundo ao redor; mas, algo que compromete os sentidos e bloqueia a percepção pessoal e coletiva da vida, do cotidiano, da própria existência.
Se o jiló é um exemplo trivial da amargura e sua lembrança nos repugna com tanta veemência o paladar, por outro lado nossa cegueira conduzi-nos a fazer das experiências diárias degustações de jilós sem piedade. É como se a mente não conseguisse correlacionar as duas vertentes ruins e nos impingisse a transferir o desagrado semelhante sem identificá-lo como tal.
Os sentidos humanos parecem letárgicos em alg uns momentos e em plena confusão em outros, o que torna tudo sem foco, sem cor e sem luz para o Homo sapiens do século XXI. Olhos que vêem e não decodificam a imagem real. Ouvidos que ouvem e não decodificam mensagens. Narizes que cheiram e não decodificam odores. Bocas que engolem e não decodificam o que estão degustando. Peles que sentem e não decodificam o toque.
A cegueira pôs em questão o certo e o errado, o querer e o poder, o ser e o ter, o viver e o morrer. Sua profundidade corrompeu-lhe os princípios, a ética e a moral. Para um cego tamanha desorientação é o que de pior pode lhe acontecer.
Como quem entra num quarto escuro, os primeiros momentos são difíceis, mas gradativamente o ambiente torna-se familiar; por isso, é preciso atenção, reduzir a velocidade dos pensamentos e ações, estabelecer-se na nova condição para buscar a saída dela. Não somos cegos! Estamos cegos! Esta diferença básica e fundamental nos permite transpor as barreiras e retomar as rédeas da situação. O que nos incomoda, nos infelicita, não tem que ser perpetuado mesmo sob outras perspectivas; há de se extirpar ou se possível converter em algo mais feliz e produtivo. Se "em terra de cego quem tem um olho é rei", vamos tomar posse de nossos reinos e viver sob o signo da luz. Nós, seres humanos, não fomos feitos para vagar errantes e distantes da razão; ao contrário, nossos pares de olhos são símbolos perenes de que necessitamos sempre espiar além deles, compreendendo os elementos de nossa própria essência.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

PATRONO


Agora sou atemporal. Explicando:

- Estar Acadêmico de um sodalício é ser imortal.

- Ter o nome em uma Cadeira de uma Acadêmica considero atemporal.

Ao receber o Ato Declaratório de Patrono da Cadeira 36 da Academia de Letras e Artes de Plácido de Castro, localizada no Estado do Acre, das mãos de Eliane Mariath - Presidente da ALAP. Fiz seguinte declaração: "... desconfio do trivial e da aparência singela. Não aceito o que é de hábito natural e entendo ser dispensável relatar que aqui, ali ou acolá colho algumas contrariedades. Não cultuo a ingratidão. Em agradecimento renovo o meu gesto de reverência a Deus e a Fada Madrinha da Cultural em agradecimento por tudo o que foi permitido a mim produzir.


Muitas lutas, surpresas e realizações... mas sinceramente a emoção que hoje invade corpo e alma transcendem a qualquer expectativa acadêmica. Como estou vivo, acordado e energizado ter o nome indicado e aceito Patrono de uma Academia é algo indescritível. Haja adrenalina! Estar acadêmico é ser imortal... Ser Patrono de Cadeira de uma Academia é ser atemporal.
Num futuro que considero incerto, sem jactância, ao exalar o último suspiro, espero estar apto para dizer: - Cumpri o meu dever. Cumpri a minha missão. Até lá envidarei esforços no sentido de não decepcionar e corresponder às expectativas e confiança depositada.


Finalizo desejando que a Paz, a Harmonia e a Concórdia sejam os principais componentes empregados na formatação de nossos relacionamentos interpessoais.


Muito Obrigado!"