Sou mais um entre tantos...

Sou mais um entre tantos...
#FocoForçaeFé
A FILOSOFIA E A MISSÃO DESTE BLOG INCLUI A DIFUSÃO DA CULTURA E A UTILIDADE PÚBLICA.

"Cada pessoa, por si só, promove a sua indispensável transformação interna, transmutando o pesado chumbo do seu emocional, no ouro reluzente da Evolução Mental."

"Considere como é difícil modificar a si mesmo e você entenderá quão pouca chance tem ao tentar modificar outras pessoas." - Jacob M. Braude

"Seja em você a mudança que quer para o mundo" - Ghandi´

Aos preconceituosos e aos piadistas, sugiro que olhem para si mesmos antes de julgarem os outros... Quem aponta um dedo para alguém, aponta três para si mesmo.


Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade
Fé Esperança Caridade - Virtudes chamadas teologais porque têm a Deus por objeto de modo imediato. Pela fé nós aderimos ao que Ele revelou; pela esperança tendemos a Deus apoiando-nos em seu socorro para chegar a possuí-Lo um dia e vê-Lo face a face; pela caridade amamos a Deus sobrenaturalmente mais do que a nós mesmos. A minha Fé não é achar que Deus fará o que eu quero, mas basea-se na certeza de que Ele fará por mim tudo o que preciso.

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Verbete Wikipédia

Verbete Wikipédia
Verbete Wikipédia

O BRASÃO

O BRASÃO
Visite o blog do Barão de Burity clicando no Brasão.
Meus livros são minha essência.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.
DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA - POR FAVOR, CLIQUE NO TÍTULO ABAIXO...
CRÉDITO DE IMAGENS
Algumas obtidas na internet e alteradas com programa de edição de imagem.

PARA MEDITAR...

"OS HOMENS PASSAM, A OBRA PERMANECE!"

"GARIMPANDO AMIZADES:
PERDI MUITOS DIAMANTES ENQUANTO OCUPADO GARIMPAVA NO MEIO DE FALSAS PEDRAS PRECIOSAS."

"NÃO ME IMPORTO COM O QUE OS OUTROS PENSAM DE MIM. IMPORTO-ME COM O QUE EU PENSO E COM O QUE FAÇO. EIS UMA DAS CARACTERÍSTICAS DO MEU CARÁTER."

"NINGUÉM É OBRIGADO A GOSTAR DE ALGUÉM, MAS EXISTE UMA COISA QUE SE CHAMA: RESPEITO!"
Nunca sabemos onde a vida nos levará. Tropeços e valores. Reviravoltas. Ficamos surpresos... Às vezes, no caminho um pensamento nos faz dizer: -"Este é o pior momento da minha vida". Mas quer saber ? No final do caminho, das diversidades mais difíceis, o que não nos mata - nos torna mais forte.
Agora as diversidades não importam. Eis o dilema! A vida é uma jornada e não um aleatório destino. Egresso da Baixada Fluminense... Ex-Marujo...
De bem com a vida - acordado e energizado - faço do escrever a minha terapia ocupacional.
Acima de tudo agradeço a Deus por tudo que tenho e sou. Não há como renegar as minhas origens. Quem renega as suas origens, nega a si mesmo.
Servir à Marinha:
Uma visão!
Um sonho!
Uma vida!


segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ASSIM É A VIDA...

Assim é a vida... vez por outra encontramos pessoas maravilhosas... Dizem que a primeira impressão é a que fica... Portanto, Maria Luiza Santos Gomes de Oliveira você marcou o nosso encontro e durante muito tempo manterei viva na memória a nossa primeira conversa.
Aceite o meu abraço fraternal e poetano com os votos de sucesso.
Com muita satisfação disponibilizo a poesia remetida, via mensagem eletrônica, no domingo, 1 de novembro de 2009 – 23:38

◄◄►►

A Primeira Docagem do NAe São Paulo


O mês e o dia são sete
No relógio sete
Inverno de céu azul
Fase de lua cheia
Estrelas o céu permeia
Na ilha agitações
Motivo: Porta-Aviões
O maior, o mais famoso
Da esquadra brasileira
O São Paulo agitou
A nossa ilha inteira
Sua primeira docagem
Exigiu calma e coragem
Da família marinheira
Almirante Régis, o dique
Preparado pra missões
Abrir-se para receber
O imenso Porta-Aviões
Militares e civis
Conhecimentos diversos
Unindo universos
Fase criteriosa
Foi o planejamento
A execução da faina
Realizou-se a contento
Macacões, coletes, capacetes
Espias cinzas e amarelas
Transformaram o espaço
Em uma enorme aquarela.

◄►◄►

A Desdocagem do NAe São Paulo


Manhã sete de outubro
Passa das sete horas
Depois da chuva vislumbro
Poças restam agora
Refletindo tons de chumbo
Rápidas que vão embora
O dia tão cinzento
Sem sol, brilho e calor
Dique vago no momento
Tem homens no seu labor
Fim do enclausulamento
Guiou-o o rebocador
Na ilha imenso vazio
Aeródromo partiu
Desdocou sem um pio
Pouca gente assistiu
Maré alta desafio
De dentro do dique saiu
Diária rotina
A ilha retomou
Lembrança na retina
A atração terminou
Saída em surdina
Logo no cais ancorou.

◄◄►►



Malu Oliveira, setembro/2003

««»»

No ano de 2005 Maria Luiza nos presenteou a poedia SOU MARINHEIRO. Na fotografia da placa a poesia não ficou nítida.


Razão pela qual vou transcrevê-la.

Ao Comandante Hespanha,

Sou Marinheiro

Conheço o navio de proa a popa
Do mastro ao lastro
Do convés ao calado

Em cada partida
Triste despedida
A alegria do retorno
O regresso ao porto;
A emoção do atracar

Mochila às costas
Coração apertado
Ansiando voltar

O mundo esférico
Torna-se pequeno
Diante do meu navio
Que cruza todo o mar

Mar que tem um cheiro
Que reconheço de longe
Encapelado parece
Um potro bravio
Jogando o navio
De lá para cá

Quando liso, parece um tapete
Que nos permite até deslizar

Inúmeras histórias, tenho pra contar
Começam na terra e chegam ao mar
Meu navio, minha armadura
Motivo da minha bravura
Na defesa do que é brasileiro
Pois afinal, sou marinheiro

Hoje, fico no porto, fico em terra
Mas continuo a amar o mar
Um amor mais que verdadeiro
Porque antes de tudo, sou marinheiro.

Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, 11 de março de 2005.

Maria Luiza – AMRJ-08