Sou mais um entre tantos...

Sou mais um entre tantos...
#FocoForçaeFé
A FILOSOFIA E A MISSÃO DESTE BLOG INCLUI A DIFUSÃO DA CULTURA E A UTILIDADE PÚBLICA.

"Cada pessoa, por si só, promove a sua indispensável transformação interna, transmutando o pesado chumbo do seu emocional, no ouro reluzente da Evolução Mental."

"Considere como é difícil modificar a si mesmo e você entenderá quão pouca chance tem ao tentar modificar outras pessoas." - Jacob M. Braude

"Seja em você a mudança que quer para o mundo" - Ghandi´

Aos preconceituosos e aos piadistas, sugiro que olhem para si mesmos antes de julgarem os outros... Quem aponta um dedo para alguém, aponta três para si mesmo.


Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade
Fé Esperança Caridade - Virtudes chamadas teologais porque têm a Deus por objeto de modo imediato. Pela fé nós aderimos ao que Ele revelou; pela esperança tendemos a Deus apoiando-nos em seu socorro para chegar a possuí-Lo um dia e vê-Lo face a face; pela caridade amamos a Deus sobrenaturalmente mais do que a nós mesmos. A minha Fé não é achar que Deus fará o que eu quero, mas basea-se na certeza de que Ele fará por mim tudo o que preciso.

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade

Verbete Wikipédia

Verbete Wikipédia
Verbete Wikipédia

O BRASÃO

O BRASÃO
Visite o blog do Barão de Burity clicando no Brasão.
Meus livros são minha essência.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.

DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA.
DOWNLOAD LIVRO DE MINHA AUTORIA - POR FAVOR, CLIQUE NO TÍTULO ABAIXO...
CRÉDITO DE IMAGENS
Algumas obtidas na internet e alteradas com programa de edição de imagem.

PARA MEDITAR...

"OS HOMENS PASSAM, A OBRA PERMANECE!"

"GARIMPANDO AMIZADES:
PERDI MUITOS DIAMANTES ENQUANTO OCUPADO GARIMPAVA NO MEIO DE FALSAS PEDRAS PRECIOSAS."

"NÃO ME IMPORTO COM O QUE OS OUTROS PENSAM DE MIM. IMPORTO-ME COM O QUE EU PENSO E COM O QUE FAÇO. EIS UMA DAS CARACTERÍSTICAS DO MEU CARÁTER."

"NINGUÉM É OBRIGADO A GOSTAR DE ALGUÉM, MAS EXISTE UMA COISA QUE SE CHAMA: RESPEITO!"
Nunca sabemos onde a vida nos levará. Tropeços e valores. Reviravoltas. Ficamos surpresos... Às vezes, no caminho um pensamento nos faz dizer: -"Este é o pior momento da minha vida". Mas quer saber ? No final do caminho, das diversidades mais difíceis, o que não nos mata - nos torna mais forte.
Agora as diversidades não importam. Eis o dilema! A vida é uma jornada e não um aleatório destino. Egresso da Baixada Fluminense... Ex-Marujo...
De bem com a vida - acordado e energizado - faço do escrever a minha terapia ocupacional.
Acima de tudo agradeço a Deus por tudo que tenho e sou. Não há como renegar as minhas origens. Quem renega as suas origens, nega a si mesmo.
Servir à Marinha:
Uma visão!
Um sonho!
Uma vida!


sábado, 3 de julho de 2010

DESPERTOS AO SOAR DAS VUVUZELAS

Não posso deixar de reproduzir o texto escrito pela Amiga e Escritora Alessandra Leles Rocha publicado originalmente em:

De volta à realidade é hora de seguir em frente e pensar no futuro dessa nação. Cientes de que projetar felicidade nas costas alheias pode ser fatal e ineficaz, cabem a cada cidadão brasileiro tratar de lutar com unhas e dentes pelo seu próprio quinhão de alegria e contentamento; bem como, de realizar pelas próprias mãos a transformação de sonhos e projetos.
De fato, é muito bom quando algum brasileiro na execução de seu ofício representa bem o país dentro ou fora de suas fronteiras. Eles ou elas estão lá, representando o país, realizando seu trabalho, certamente lutando com muitas dificuldades para chegar até esse ponto, e deixarão nas páginas da história o registro desse legado. Sentimos satisfação, orgulho, alegria por ver que, apesar de tantos pesares, desse solo continua a brotar uma infinidade de talentos capazes de encher os olhos e alma de emoção.
Mas, é preciso entender de uma vez por todas que a realização pessoal desses indivíduos em questão não altera direta ou indiretamente a nossa própria realidade, continuamos a ser os mesmos, a “matar milhões de leões” por dia para dar conta das obrigações prestes a nos soterrar, alternando sucessos e fracassos no dia a dia. Títulos, conquistas, premiações, computadas aos quadros de memória do país não são capazes de mudar os rumos da nação, de milhões de pessoas que movem as engrenagens do desenvolvimento e do progresso dessa terra.
Debruçamos diante deles como Narciso fez diante do lago, admirados com tanta beleza e perfeição! Mas nosso espelho é bem outro: distantes dos salários suntuosos, das mordomias em viagens e hospedagens nos melhores hotéis, das novidades médicas de última geração para tratar as lesões, dos contratos publicitários que rendem dinheiro extra no fim do mês, enfim... tudo à disposição para ainda fazerem o que mais gostam. Enquanto os pobres mortais enfrentam a exaustão da labuta, o transporte lotado, as filas no atendimento público de saúde, a jornada tripla para saldar os compromissos no fim do mês, a marmita fria na hora do almoço, a falta de professores nas salas de aula – para aqueles que sonham em melhorar de vida -, a insegurança nos centros urbanos, o stress... enfim, tudo o que a vida é capaz de lhes oferecer em termos de sobrevivência.
No mesmo mundo dois universos que se defrontam e não se percebem pertencentes à mesma semente: o Brasil. Aos ídolos que falharam na sua missão tudo permanece como antes; talvez, alguns dias sob o olhar acusador e sarcástico da mídia, nada que o tempo não supere. Aos fãs também a normalidade de sempre, com o gosto momentâneo do amargo da decepção – se eles que tinham tudo e não conseguiram o que nos restará? Na esfera do mais ou do menos, do maior ou do menor, acordaremos amanhã todos brasileiros, cidadãos, trabalhadores, cumpridores das obrigações habituais. A catarse da alma continuará a ser nossa meta para dar alívio e sentido em continuar a jornada, mas buscará em outros elementos da vida motivo para acontecer. Permaneceremos fiéis aos encantadores das bolas nos pés; mas, agora, conseguindo enxergar a realidade que se esconde atrás da rede branca, da euforia do gol, da emoção do hino; finalmente fomos despertos ao som das vuvuzelas.


■■■■■■■

O texto de Alessandra não é antipatriota. Retrata sim uma grande verdade: - A vida continua... E como bem disse o Técnico da Seleção: - Fora contratado por 4 anos. Portanto, o contrato termina após a copa.
Entendo como pertinente registrar o meu pensamento sobre o assunto. Não vejo sentido em associar patriotismo ao futebol. Pode ser importante para a formação e reprodução de determinados tipos de identidade. A questão é outra. E, algumas pessoas não sabem lidar com o fato: - Um time de futebol ser eliminado de um campeonato ou competição.
Depois do jogo assisti uma briga, ente dois adultos, com direito a socos, pontapés, palavrões com o saldo de algumas lesões corporais.
As agências internacionais em Porto Príncipe (Haiti) noticiaram que: - "Um jovem haitiano que torcia para a seleção brasileira cometeu suicídio nessa sexta-feira, após a eliminação da equipe de Dunga diante da Holanda, nas quartas de final da Copa do Mundo da África do Sul".
Outra notícia relata o fato de que: - Um homem de 28 anos se suicidou na Tailândia porque seu pai lhe repreendeu por passar muito tempo acompanhando a Copa do Mundo da África do Sul em vez de ajudar a família nos campos de arroz, informou nesta sexta-feira a imprensa local".

Entendo que uma pessoa torça por uma seleção na copa, com direito a vuvuzela e nervosismo total. Não entendo como algumas pessoas fazem a conexão entre uma partida de futebol e o patriotismo. Também, passo longe da ideia de que o futebol é o ópio do povo e/ou de que os torcedores esquecem dos problemas de suas vidas ao assistir futebol. O problema não é esse. O problema é outro. Considero o associar futebol ao patriotismo, algo tosco e sem sentido.
Agora vamos aos fatos:
Exatamente o que a seleção brasileira estava defendendo? O status de melhor futebol do mundo. O que isso tem de relevante para todos os brasileiros? Nada!! Pelo menos para a maioria de nós, pois os únicos que lucram alguma coisa com esse evento são os que lidam com os produtos vendidos nessa época e os integrantes da própria seleção.
Com o fim da copa o que ganha nossa nação? Se a seleção tivesse saído de lá vencedora que benefícios isso traria? O analfabetismo deixaria de existir? Haveria uma redução drástica nos impostos? Saneamento para todos? Escolas com infraestrutura e pessoal bem preparado e muito bem remunerado? Uma melhoria na Segurança Pública? Não, nenhuma dessas coisas aconteceria, sabe por quê? Somos Pentacampeões Mundiais de Futebol!!! E nenhuma das coisas que falei aconteceu quando ganhamos nossa primeira copa ou nas quatro seguintes. E cada brasileiro acredita estar sendo patriota nessas demonstrações na época da copa, isso não é patriotismo está mais para fanatismo futebolístico.
Ser patriota é muito mais que isso: não jogando lixo nas ruas, cedendo o assento ou o lugar na fila para os idosos ou gestantes, saber o Hino Nacional. Podem dizer que isso é civismo, mas essas palavras são praticamente irmãs.
Patriotismo é ir votar não por que é obrigatório, mas por que você conhece o trabalho do candidato e acompanhou-o nos últimos quatro anos ou sabe que o candidato apesar de nunca ter cumprido um mandato é honesto e não irá roubar nosso dinheiro.
Patriotismo é acompanhar de perto o que os governantes estão fazendo na sua cidade, no estado e no país.
Patriotismo é não roubar o imposto de renda.
Patriotismo é se reunir com seus amigos e vizinhos e exigir mais educação, atendimento de saúde pública eficiente, mais policiamento e saneamento básico é não se calar perante as injustiças praticadas por quem quer que seja. Isso é patriotismo!!!
Talvez o que estou dizendo seja utópico ou passível de incompreensão. Afinal por que o cidadão comum deveria saber o que é patriotismo? Não é um produto anunciado em outdoors, não é a letra da música mais tocada nas rádios, não faz parte da trama de nenhuma novela de qualquer horário ou canal e nem é anunciada com estardalhaço nos telejornais. Bem como não é enredo de Escola de Samba.

Calma!!!!!! O Miniaurélio fornece o seguinte significado para a palavra pa.tri:o.tis.mo:

Substantivo masculino.
Amor a pátria; consciência dos deveres cívicos e apego e/ou admiração pelas coisas do seu país.