Sou mais um entre tantos...

Sou mais um entre tantos...
A FILOSOFIA E A MISSÃO DESTE BLOG INCLUI A DIFUSÃO DA CULTURA E A UTILIDADE PÚBLICA.

"Cada pessoa, por si só, promove a sua indispensável transformação interna, transmutando o pesado chumbo do seu emocional, no ouro reluzente da Evolução Mental."

Fé Esperança Caridade

Fé Esperança Caridade
Fé Esperança Caridade - Virtudes chamadas teologais porque têm a Deus por objeto de modo imediato. Pela fé nós aderimos ao que Ele revelou; pela esperança tendemos a Deus apoiando-nos em seu socorro para chegar a possuí-Lo um dia e vê-Lo face a face; pela caridade amamos a Deus sobrenaturalmente mais do que a nós mesmos. A minha Fé não é achar que Deus fará o que eu quero, mas basea-se na certeza de que Ele fará por mim tudo o que preciso.

Verbete Wikipédia

Verbete Wikipédia
Verbete Wikipédia

O BRASÃO

O BRASÃO
Visite o blog do Barão de Burity clicando no Brasão.
Meus livros são minha essência.

ALGUNS LIVROS DE MINHA AUTORIA.

ALGUNS LIVROS DE MINHA AUTORIA.
ALGUNS LIVROS DE MINHA AUTORIA - DOWNLOAD? POR FAVOR, CLIQUE NO TÍTULO.
CRÉDITO DE IMAGENS
Algumas obtidas na internet e formatadas com programas "freeware".


As pessoas passam, as obra permanecem. Ninguém é obrigado a gostar de alguém, mas existe uma coisa que se chama: respeito. Nunca sabemos onde a vida nos levará. Tropeços... Valores... Reviravoltas... No final do caminho, as diversidades mais difíceis, não nos matam - nos tornam mais forte.
Estou de bem com a vida... Faço do escrever a minha terapia ocupacional.
Acima de tudo agradeço a Deus por tudo que tenho e sou. Não há como renegar as minhas origens.
Servir à Marinha:
Uma visão!
Um sonho!
Uma vida!



sábado, 2 de agosto de 2008

ANTES QUE ELAS CRESÇAM

Artigo publicado no livro de minha autoria "UMA CONVERSA DIFERENTE"
- FBN 401.883 L 749 Fl 3 -
Prefácio Crystyane Fonseca de Andrade - Revisão Flávia Figueiredo Torres
1a. edição virtual - disponibilizada em http://cayru.com.br/

Lendo o exemplar de junho de 2003 do jornal "O Compasso de Rio Claro", órgão de divulgação da Loja Maçônica "Lealdade e Luz nº 2294", tive a minha atenção para o artigo de Affonso Romano de Sant'Anna - lido pela cunhada Josiani, durante homenagem ao Dias das Mães. Sem outros comentários passo a transcrevê-lo:
"Há um período em que os pais vão ficando órfãos de seus próprios filhos. É que as crianças crescem independentes de nós, como árvores tagarelas e pássaros estabanados. Crescem sem pedir licença à vida. Crescem com uma estridência alegre e, às vezes com alardeada arrogância. Mas não crescem todos os dias, de igual maneira, crescem de repente.
Um dia sentam-se perto de você no terraço e dizem uma frase com tal maneira que você sente que não pode trocar as fraldas daquela criatura.
Onde e como andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu?
Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços e o primeiro uniforme do maternal?
A criança esta crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil.
E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela apenas cresça, mas apareça...
Ali estão muitos pais ao volante, esperando que elas saiam esfuziantes e cabelos longos, soltos.
Entre hanburgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão nossos filhos com uniforme de sua geração.
Esse são os filhos que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas, das notícias e da ditadura das horas.
E eles cresceram meio amestrados, observando e aprendendo com nossos acertos e erros. Principalmente com os erros que esperamos que não se repitam.
Há um período em que os pais vão ficando um pouco órfãos dos filhos. Não mais os pegaremos nas portas das discotecas e das festas. Passou o tempo do ballet, do inglês, da natação e do judô. Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas.
Deveríamos ter ido mais à cama deles ao anoitecer para ouvirmos sua alma respirando conversas e confidencias entre os lençóis da infância, e os adolescentes cobertores, daquele quarto cheio de adesivos, pôsteres, agendas coloridas e músicas ensurdecedores. Não os levamos suficientemente ao playcenter, ao shopping, não lhes demos suficientes hamburgueres e refrigerantes, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas que gostaríamos de ter comprado. Eles cresceram sem que esgotássemos neles todo o nosso afeto.
No princípio iam à casa de praia entre embrulhos, bolachas e amiguinhos. Sim havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de chicletes e cantorias sem fim.
Depois chegou o tempo em que viajar com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível deixar a turma e os primeiros namoros. Os pais ficaram exilados dos filhos, tinham a solidão que sempre desejaram, mas, de repente, morriam de saudades daqueles "pestes".
Chega o momento em que só nos resta ficar de longe torcendo e rezando muito para que eles acertem nas escolhas em busca da felicidade. E que a conquistem do modo mais completo possível. O jeito é esperar: qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não podem morrer conosco.
Por isso os avós são tão desmensurados e distribuem tão incontrolável carinho.
Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto. Por isso é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que eles cresçam
".

Seja como for, não sou saudosista e acho esquisito falar ou escrever "no meu tempo", porque nosso tempo " deve ser sempre hoje". Mas algumas coisas confesso contemplar com grande susto, não é só a corrupção, a confusão, a violência e as drogas que grassam em nossa sociedade. Refiro-me a educação e a cultura. Não sei se é para rir ou chorar... Mas será que ainda há tempo para revertermos o nivelamento por baixo?

No trato com os adolescentes realmente esta é uma conversa diferente que julgo merecer um momento de introspecção... Principalmente se considerarmos como aplicavéis as palavras de Clarence Darrow:

"A primeira metade de nossas vidas é estragada pelos pais, a segunda por nossos filhos".

Nenhum comentário: